Volume de vendas do varejo brasileiro cresce 2,4% em maio

Por: Fabiana Zuanon 1.073 views

O setor conseguiu o segundo resultado positivo anual. Com isso, setor acumula alta de 0,8% entre janeiro e maio deste ano. Veja o desempenho por segmento

cred: Shutterstock

O varejo brasileiro conseguiu crescer 2,4% em maio, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Este é o segundo aumento consecutivo nessa base de comparação, de acordo com dados divulgados hoje (12) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Considerando o varejo ampliado, que leva em conta o desempenho do segmento de Material de Construção e Veículos, o volume de vendas cresceu 4,5% no período.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Em receita nominal, o comércio varejista registrou alta de 3,1% no período. Já o varejo ampliado teve alta de 4,5% na relação com maio de 2016.

De acordo com o IBGE, o crescimento do setor nessa base de comparação deve-se ao Dia das Mães e à diferença de um dia útil a mais em maio de 2017 (22 dias) em relação a maio de 2016 (21 dias).

Desempenho dos setores

Olhando para os segmentos do setor, apenas dois apresentaram desempenho negativo na comparação anual: Livros, Jornais, Revistas e Papelaria, com queda de 1%; e Combustíveis e Lubrificantes, com recuo de 0,9%.

Em termos de contribuição, ou seja, considerando os segmentos com maior peso na formação da taxa global do varejo, o segmento de Móveis e eletrodomésticos foi o grande destaque, com alta de 13,8% no volume de vendas.

Outras contribuições positivas relevantes sobre o total nacional vieram de Tecidos, vestuário e calçados (5%); Outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,6%); Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (3,8%); Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (8,8%).

As vendas do setor de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios bebidas e fumo ficaram estáveis em relação a maio de 2016.

Considerando os resultados em maio, frente a abril, o setor apresentou leve recuo, de 0,1%. Já o varejo ampliado verificou queda de 1,2%.

“Numa visão geral, os dados de maio são bons, mas o cenário é nebuloso. Precisamos aguardar os números dos próximos meses para sabermos se realmente a economia se descolou da política. Diante do cenário atual, em que se assiste ao desenrolar das reformas e ao agravamento da crise político-institucional, não é possível projetar com segurança um futuro econômico”, comentou, em nota, Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

Carregando...

Carregando... por favor, aguarde.