Por que a Via Varejo abriu uma loja digital do Pontofrio?

Por: Camila Mendonça 19.445 views

Companhia conseguiu virar o jogo e ter resultados com a ajuda da transformação digital. Entenda o que a nova loja do Pontofrio tem a ver com isso

Nova loja digital do Pontofrio: Via Varejo aposta na integração dos canais

Em janeiro,  a Via Varejo, empresa que opera a Casas Bahia e o Pontofrio, inaugurou uma loja digital do Pontofrio no Shopping Vila Olímpia, em São Paulo. Com vitrine aberta, o cliente é praticamente convidado a entrar na loja, que apresenta na entrada uma grande vitrine digital em que são apresentados produtos de linha branca em tamanho real.  Quem quiser, pode se conectar ao Wi-Fi.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Uma pequena parede com uma tela é espaço suficiente para mostrar ambientes inteiros montados de acordo com o que o cliente quer, com a ajuda da realidade virtual. Produtos de uso pessoal podem ser usados ali mesmo – praticamente tudo ali está ligado. Há telas para demonstração digital de eletroportáteis menores. E totens digitais por meio dos quais os clientes podem ter acesso a cerca de 10 mil itens vendidos pelos sites das bandeiras Pontofrio, Casas Bahia e Extra. Até o fim de 2018 serão incluídos os produtos do marketplace, elevando a oferta para aproximadamente 1,5 milhão de sku’s.

Quem conhece a bandeira Pontofrio sabe que a nova loja está bem longe do modelo tradicional da bandeira. Ela representa, na verdade, uma grande virada da companhia, que sofreu até meados de 2015 e registrou prejuízos trimestrais seguidos. Por muito tempo, a companhia foi considerada o “patinho feio” do GPA, que em busca de resultados e focado na nova estratégia de focar no braço alimentar da companhia, colocou a Via Varejo à venda.

Thiago Pasqua, diretor de Lojas Premium da Via Varejo: nova loja representa a estratégia da Via Varejo

Contudo, a companhia conseguiu virar o jogo em definitivo em 2017 e passou a ter trimestres seguidos de lucro. “A virada da Via Varejo é total. Fizemos um grande passo dessa virada com a integração da Via Varejo com a Cnova, que eram empresas separadas. Agora a gente pensa junto e pensa o cliente como sendo único”, explicou à NOVAREJO Thiago Pasqua, diretor de Lojas Premium da Via Varejo. “Hoje, a empresa é totalmente orientada ao cliente. Ele está no centro das nossas discussões, porque não existe mais canal. O cliente se relaciona com a gente em todos os canais”, afirma.

A loja digital do Pontofrio é a materialização dessa virada e não deve ser única. Ela é uma espécie de laboratório da companhia: novas tecnologias, tanto do ponto de vista do consumidor, como de back-office de loja, serão testadas ali. O que der certo será implantado nas lojas do Pontofrio e também nas lojas da Casas Bahia.

“Nossa expectativa e nosso mindset está indo na nossa direção de acabar com as barreiras de canal e nessa loja a gente começa a experimentar isso de maneira mais tangível, porque aqui temos uma interação maior do online com a loja física. Assim, o consumidor passa a ter uma jornada mais fluida entre os canais, independentemente do ponto de contato que ele tenha com a gente”, explica Pasqua.

Leia também
Pontofrio abre loja em SP com vitrine digital e realidade virtual

Bem perto da concorrência e da Amazon

Até 2016, a Via Varejo era o contraponto oficial do sucesso de seu principal concorrente, o Magazine Luiza. Enquanto a empresa amargava perdas, a empresa liderada por Frederico Trajano tornou-se referência de varejo digital e viu os resultados operacionais registrarem recordes sucessivos.

“A provocação sempre existiu dentro de casa e sempre sentimos um desconforto, principalmente quando a gente tinha o cliente em duas empresas separadas [Via Varejo e CNova]  e a partir do momento que a gente passa a ser uma coisa só, começamos a pensar as coisas juntos”, explica Pasqua.

Para sair dessa zona de desconforto, a companhia apostou não apenas na integração operacional, mas também na transformação digital. “O grande desafio foi transformar nossas ideias em realidade e unir os propósitos”, afirma.

Para essa transformação, a companhia ouviu a demanda do consumidor de querer unir  as experiências que têm no mundo físico e no mundo online. Um grande sucesso da companhia é o Retira Loja, que permite ao cliente que compra pela internet retirar os produtos nas lojas da companhia. Recentemente, a empresa também anunciou que agora é possível retirar as compras em postos de gasolina, em lockers inteligentes.

Com todos esses passos, a Via Varejo não apenas conseguiu alcançar a concorrência, mas também se preparar para a entrada mais robusta da Amazon no Brasil. “Estamos preparados [para lidar com a Amazon]. Tudo o que estamos fazendo é justamente para consolidar o nosso espaço no mercado. Temos vantagens competitivas para nos estabelecer”, afirma o executivo.

 
 
 
 
 
 

Leia também
Loja sem caixas da Amazon abre para o público após um ano de testes

A loja digital que o cliente não vê

O planejamento para se conceber a nova loja do Pontofrio levou mais de um ano e a companhia não revela o investimento. “A gente discutiu muito a tecnologia, porque toda a tecnologia embarcada aqui tem um propósito para melhorar a experiência e jornada de compra em loja física. A ideia foi trazer a praticidade e o dinamismo do mundo online com a experimentação e humanização que a loja física tem”, diz.

Além de todas as tecnologias que são evidentes para os consumidores, a loja digital também atua “nos bastidores”. Há muito o que os olhos dos clientes não veem. O ponto de venda é dotado de câmeras que conseguem identificar o fluxo do corretor do shopping e medir a conversão de quem entrou na loja. Com essas informações clusterizadas, a bandeira vai conseguir fazer ações mais personalizadas aos consumidores com o tempo.

Outro ponto é que essas câmeras conseguem identificar a reação dos consumidores a cada experiência que ele tem dentro da loja. Lá, os vendedores não recebem comissão, mas premiação com base em satisfação do cliente e conversão de vendas. Essa conversão não é apenas aquela realizada na loja, mas também na internet depois de determinado tempo.

Além da loja do Shopping, a companhia quer abrir mais uma do mesmo modelo em rua, também em São Paulo. O Rio de Janeiro deve ser o próximo a entrar no roteiro de expansão. A expectativa da bandeira é abrir 80 lojas em 2018 – e todas elas já terão um enxoval tecnológico que permita receber tecnologias que estão sendo testadas na loja digital.

Leia também
GPA afirma que segue com venda da empresa da Casas Bahia e Pontofrio

Carregando...

Carregando... por favor, aguarde.