Varejo paulista cresce 2,5% no ano e confirma retomada

Por: Leonardo Guimarães 4.205 views

Dados da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mostram crescimento em sete dos nove setores varejistas analisados ao longo de 2017

Crédito: Shutterstock

O comércio varejista de São Paulo registrou crescimento no ano passado. O volume de vendas subiu 2,5% na comparação com 2016. O número inclui concessionárias de veículos e lojas de materiais de construção – o chamado varejo ampliado. O crescimento do varejo restrito, que não computa esses dois seguimentos, foi de 1,8%.

Os dados da pesquisa ACVarejo, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), geram otimismo. Apenas duas das nove atividades econômicas analisadas apresentaram queda. As lojas de departamento, eletrodomésticos e eletrônicos tiveram crescimento de 14% no volume de vendas de 2017.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

As lojas de móveis e decorações venderam 10,3% a mais, enquanto as concessionárias de veículos tiveram crescimento de 8,3% nas vendas efetuadas no período. Alguns dos seguimentos que registraram queda nas vendas são tecidos e calçados (1,3%) e lojas de vestuário (5%).

Segundo a ACSP, os resultados foram impulsionados pela elevação de renda, do emprego e crédito. Além disso, as melhores condições de financiamento – como juros menores e prazos maiores – estimularam os consumidores.

Por região

A maior taxa de crescimento do varejo paulista foi observada em Jundiaí, que teve expansão de 7,1%. A região de Ribeirão Preto, Baixa Mogiana e Franca teve alta de 6,1%. Sorocaba e Vale do Parapanema e Vale do Paraíba tiveram aumento de 6% e 5,9%, respectivamente, no ano passado.

Apenas duas regiões tiveram queda nas vendas. Presidente Prudente vendeu 0,5% a menos em relação a 2016. Já a região Metropolitana Oeste teve retração de 1%. A capital do Estado vendeu mais em 2017. São Paulo registrou crescimento de 1,7%.

A pesquisa ACVarejo é feita mensalmente pelo Instituto de Economia Vidigal da Associação Comercial de São Paulo. São usadas informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo.

Leia também: 

Millennials invadem mercado de luxo e devem ser maioria em seis anos

Carregando...

Carregando... por favor, aguarde.