A dinâmica e os benefícios do Design Sprint

Por: Raisa Covre 941 views

Participantes do BR Week 2018 tiveram a oportunidade de entender a metodologia durante workshop da Service Design Sprints. Entenda e aplique

Quantas vezes paramos para pensar sobre o significado de design? Durante o BR Week 2018, os participantes tiveram a oportunidade de ter um novo olhar sobre este conceito no Workshop sobre Design Sprint, ministrado por Alessandro Ng, head Latam da Service Design Sprints. O especialista lembra como temos o hábito de relacionar design a estética, desenhos, layouts, arte. Claro, isso não está errado, mas o conceito vai além.

Principalmente porque a base do design é pensar em pessoas. Muito além da beleza, o design coloca as necessidades humanas no centro de uma questão para projetar uma solução que faça sentido em determinado contexto. Basta visualizarmos a maçaneta de uma porta – ela é funcional exatamente porque tem um design bem planejado.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

“O design thinking, por exemplo, foi idealizado como uma forma de trazer de novo essa ideia original, utilizando os pilares de empatia, colaboração e experimentação”, recorda Alessandro. As empresas que tem o design voltado para as pessoas geralmente têm uma performance diferenciada de outras organizações.

A metodologia de Design Sprint busca exatamente garantir relevância para os usuários – humanização. “São projetos rápidos que usam o design como solução. Servem tanto para produtos, como serviços, processos e modelos de negócio”, diz.

Benefícios

A técnica é interessante para resolver desafios, principalmente pelo processo de imersão que é feito sobre a questão. Segundo Alessandro, meses de trabalho e discussões intermináveis podem ser resolvidos em quatro dias. Isso porque o Design Sprint traz: inovação na prática (procura resolver problemas reais com soluções reais), conexão com usuários (analisa as soluções com base no que o cliente realmente precisa), times alinhados (pessoas com diferentes skills pensando em uma mesma questão).

Geralmente, a metodologia começa com um alinhamento para dar início ao sprint. Depois, ocorre o processo de imersão de quatro dias para, então, chegar à entrega final. “O sprint resolve um desafio por vez sempre. Se o problema é muito grande, dividimos em microdesafios”, explica o especialista.

O importante é sempre pensar em soluções que façam sentido para as pessoas envolvidas. Por exemplo, se existir um problema de fila numa loja e o varejista olhar só para a fila, é bem provável que a solução encontrada seja desconectada da realidade. Se toda a jornada for analisada, desde o momento do abastecimento de produtos, design da loja, até chegar à fila efetivamente, aí o olhar consegue encontrar uma solução mais abrangente. Desafios mais amplos geram solução mais amplas. Desafios mais específicos geralmente demandam soluções especificas.

Dinâmica

O Design Sprint tem três etapas. Primeiro, é necessário mapear o desafio e o ecossistema que está envolvido nele. Depois, analisar os perfis de usuários que estão dentro da situação ligada ao desafio, entender suas particularidades e barreiras. “Esses perfis são encontradas por comportamento, não necessariamente características como idade, classe”, complementa Alessandro. Entrevistar os usuários também faz parte desta etapa.

Por ultimo, chega o momento de criar as soluções. Muitos olhares podem existir sobre uma questão e a validação vem da tentativa. Outro ponto importante, na visão do especialista, é a empatia. Não dá para criar uma solução sem entender o olhar de quem tem a necessidade analisada. Fora isso, ele destaca: em um projeto de design sprint não existe certo e errado, existe o que faz sentido.

Também é importante entender que quando um desafio começa a ser analisado, diversos microdesafios são encontrados. O design é isso: fazer uma investigação. E entender que não necessariamente a solução pensada é a melhor opção. Na experiência realizada durante o BR Week, Alessandro procurou provocar os participantes com todas essas questões, mostrando de forma resumida a sensação de realizar um sprint. “Temos participantes de diferentes segmentos, trabalhando em prol do mesmo objetivo, isso é super alinhado com esse tipo de projeto”, analisa. “Em um desafio real, o grupo é sempre composto por pessoas diferentes, de áreas e skills distintas. Para resolver problemas complexos a gente precisa envolver diferentes pessoas”.

Carregando...

Carregando... por favor, aguarde.